A felicidade não se compra

Sexta-feira, 11 de dezembro, um dia de muito sol depois de uma semana com muita chuva, aconteceu minha confraternização de final de ano com o pessoal do meu trabalho. Um dia muito gostoso e agradável ao lado de alguns colegas, diretoras e a presidente do Sindicato. De manhã participamos de uma missa, celebrada pelo meu grande amigo padre Roberto e a tarde almoçamos e curtimos momentos alegres e divertidos. Vocês acreditam que a Fafá de Belem participou da festa? Pois é, até ela marcou presença. Na verdade foi um colega que se tranformou nesta excelente cantora e nos fez chorar de rir. Engraçadíssimo.
Ah, e preciso dizer, comi pra caramba. Devo ter engorado uns 200 kilos tamanha quantidade de ccalorias que ingeri. Mas, meus amigos não teve como resistir a um delicioso churrasco, com direito a um leitão a pururuca e as sobremesas de tirar qualquer um do sério. Ufa! Uma doce tentação. Depois eu corro átras do prejuízo.
A noite para não perder o hábito peguei um filme natalino para ver. Como não tinha outra boa opção e nem uma ótima companhia ao lado para fazer outra coisa, o jeito foi ver um filme. Peguei "A felicidade não se compra" do excelente diretor Frank Capra. Para mim um dos melhores filmes já realizados pelo cinema. E se tem uma história que fala de forma bonita e verdadeira sobre o real sentido do natal, e nunca fica velho é este aqui. Foi produzido em 1946 e concorreu aos oscars de melhor filme, diretor e ator. Porém, injustamente não ganhou nenhum.
O filme conta a história de um homem bom, correto e honesto que por um infortúnio do destino perde tudo que tem. Interpretado pelo ator James Stewart, numa atuação espetacular, pelo menos considero este um de seus melhores trabalhos, desesperado seu personagem toma uma atitude drástica, decide se matar. Um chefe de família exemplar, bom pai, bom marido, amigo, procura ajudar as pessoas sempre que pode sem desejar o retorno por parte deles. No entanto, um homem, oposto a ele atravessa seu caminho e uma coisa ruim acontece. Estamos na época de natal. A partir daí, desesperado e sem coragem de encarar sua família, a morte foi a saída encontrada para acabar com sua dor.
Ao tentar se atirar de uma ponte, de repente um anjo aparece em sua vida. Aos poucos este ser "iluminado" que precisa praticar uma boa ação para ganhar suas asas, vai mostrando a George tudo de bom que ele ja fez e a falta que irá fazer na vida de sua família e seus amigos. Uma belíssima lição. O filme nos mostra o quanto devemos acreditar no lado bom do ser humano e não perder a esperança na humanidade. Apesar de tudo de ruim que vemos mundo afora, ainda sim vale a pena acreditar que existem seres diferentes com coração bom, capazes de olhar ao próximo com amor, ajudando-os sem querer algo em troca. Amor em sua forma pura.
E o natal é justamente uma data que simboliza este ideal de amor e sentimentos bons. Momento para pararmos e refletirmos sobre nossas vidas e sobre o que podemos melhorar em nós. E não podemos esquecer que o natal representa verdadeiramente "o nascimento de Jesus Cristo", um ser que veio ao mundo dar o melhor de si para alcançarmos o melhor de nós.
Quem ainda não viu, por favor, aluguem, baixem na internet ou peguem com amigos, pois é uma das histórias mais comoventes que ja vi.







12 comentários:

Thiago Paulo disse...

Olá Cintia, tudo bem? Olha, esse já está na minha lsiat... Nosso amigo marcelo já comentou sobre ele comigo várias vezes. Quando eu ver, te conto o que achei!

Bjo!!

Fotograma Digital disse...

Capra tinha esse dom de transformar as mais trivias histórias em retratos comoventes do cerne do ser humano.

Marcelo A. disse...

Concordo com o comentário acima: Frank Capra conhecia a alma do homem como ninguém! Vide "O galante Mr. Deeds", "A mulher faz o homem", entre tantos outros...

"A Felicidade..." é mesmo um filme que não envelheceu, apesar de já ter passado dos sessenta, e que influenciou vários depois dele. Além de ser, na minha modesta opinião, uma das melhores escolhas para títulos em português. Muito mais que "It's a Wonderful Life", "A Felicidade Não Se Compra" carrega toda mensagem que Capra quis nos passar...

Beijão!

Reinaldo Glioche disse...

É um filmaço. Assino embaixo de tudo que falaste Cintia. Um filme lindissimo que versa sobre reconhecimento e valores morais. Dois conceitos que vira e mexe entram em contradição nas nossas vidas. Justamente por isso, a Felicidade não se compra é obrigatório. Ótima pedida para sexta de calor, de frio, dias solitários ou cheios de gente. Enfim, um filme para todo o sempre. Bjs

it was RED - Para quem gosta de cinema disse...

Um ótimo filme! O longa consegue nos passar perfeitamente sentimentos natalinos, como amor e paz, sem banalizá-los. O que eu vejo em muitas películas natalinas é que elas banalizam muito os sentimentos, exibindo-os de uma forma completamente irritante. Capra fez uma excelente obra "feel good".

Beijos!

Cristiano Contreiras disse...

Poxa, este filme traz um bom simbolismo natalino e conotação de esperança e sentimentalidade - ainda mais num período onde o ser humano tende a se perder, diante de valores quase esquecidos. Né mesmo?

O filme é ótimo, um clássico que adoro rever!

Beijos!

Plutonauta disse...

Puxa vida, deve ser muito legal esse filme, e olha que eu adoro filmes de Natal mas infelizmente nunca vi esse, pra falar a verdade eu não tenho mais visto filmes sem ser na TV ou no cinema ultimamente, e o filme mais antigo que já vi na vida acho que foi "E o Vento Levou" mas com certeza esse filme já está na lista dos que tenho que ver um dia .......... aproveito e lhe desejo um Feliz Natal !!!!

Amanda Aouad disse...

Tá aí, Cíntia, esse ainda não conferi, preciso fazer logo, já que você indicou com tanta vontade...

Ainda volto por aqui antes, mas em todo caso, já lhe desejo feliz natal e um excelente 2010.

Museu do Cinema disse...

Filmão clássico. Boa dica pro Natal realmente!

Cleber P. Eldridge disse...

Sinto vergonha ao dizer que nunca vi este!

Hugo disse...

Olá Cintia,

Assisti este filme há pouco tempo e achei sensacional. Um dos dramas mais comovontes da história do cinema, mas que nos faz emocionar pela felicidade e esperança da história.
Um filme nota 10 que todo cinéfilo tem obrigação de assistir.

Até mais

Jaime Guimarães disse...

Oi, Cíntia!

Frank Capra não foi um diretor que chegou a ser perseguido pela academia, acusado de ser comunista pela "comissão" do senador McCarthy? Sei que tinha uma lista enorme de diretores e produtores de filmes "proibidos" em Hollywood, digamos. O nome mais famoso é o do Elia Kazan, acho que é algo assim.

Bom, eu não tenho muito mais a falar. Talvez em minha próxima postagem no grooeland eu explique melhor (ou pior) o que eu acho dessas confraternizações de fim de ano e do natal. Mas admiro quem consiga ainda manter genuinamente o verdadeiro espírito desta data.

Um beijo!

Postar um comentário